A Mercedes-Benz apresentou nesta terça-feira (18) na Cidade do Cabo, na África do Sul, a primeira picape média de sua história. A Classe X estreia na Europa ainda em 2017, mas já está confirmada para chegar aos mercados brasileiro e argentino no começo de 2019.Baseada na plataforma da atual geração da Nissan Frontier, a Classe X inaugura o segmento de picapes médias de luxo, combinando o luxo e a tecnologia dos SUVs de proposta mais urbana com a robustez de um veículo voltado ao uso no campo. A picape destinada à América do Sul compartilhará a linha de produção da fábrica de Santa Isabel, na Argentina, com a Frontier e a Renault Alaskan. A versão europeia será fabricada em Barcelona, na Espanha.

A Classe X será oferecida nas versões Pure e Progressive, equipadas com motores de quatro cilindros da Nissan: X 200 (2.0 turbo a gasolina de 166 cv de potência e 24 kgfm de torque), X 220d (2.0 turbodiesel de 163 cv e 41 kgfm) e X 250 (2.3 turbodiesel de 190 cv e 46 kgfm, o mesmo da Frontier). As transmissões serão manual de seis marchas ou automática de sete velocidades, com opções de tração 4×2 (traseira) ou 4×4.

A variante topo de linha Power será movida pelo 3.0 V6 turbodiesel de 258 cv e 56,1 kgfm da própria Mercedes-Benz, combinado com o sistema de tração integral permanente 4Matic e ao câmbio automático de sete marchas 7G-Tronic.A picape da Mercedes-Benz é montada sobre o mesmo chassi da Frontier, porém com reforçado para suportar o maior peso e potência do motor V6. A Classe X utiliza suspensão traseira que combina o sistema independente multilink com um eixo de torção para melhorar a dinâmica sem comprometer as capacidades de carga e de reboque, que podem chegar a 1.100 kg e 3.500 kg, respectivamente (provavelmente na versão mais potente).

Em termos de equipamentos de segurança, a Classe X será equipada com assistente de permanência em faixa, frenagem autônoma de emergência, câmera 360º, sistema de leitura de sinais de trânsito, entre outros.

Por ora não há versões preparadas pela AMG, mas a Mercedes-Benz não descarta a hipótese de criar variantes com a grife da divisão de alto desempenho.