Diante de tantas notícias ruins que são bombardeadas diariamente, algumas são sobre carros, com objeções que colocam em cheque sua real necessidade: será que é inteligente ter um bem tão caro em nossas garagens, que entre diversos custos, exige manutenção periódica? Não tenho dúvidas que ele é fundamental para uma boa parcela de pessoas, mas percebo que esse fantasma da manutenção ainda é motivo de preocupação.

Eu, como Caçador de Carros e proprietário de carros usados há 16 anos, garanto para você que manter um carro não é tão difícil como parece. A chave da questão é sempre fazer manutenções periódicas e seguir rigorosamente o que o fabricante recomenda. Ou seja, não faça menos nem mais que o recomendável, apenas siga o que é pedido no manual.

Observo que muitas pessoas, infelizmente, são enganadas na hora de deixar seus carros numa oficina, seja concessionária ou particular.

Como acontece em diferentes ramos, nos deparamos com profissionais que não estão ali para resolver os reais problemas, e visam apenas o lucro pessoal, empurrando produtos e serviços dispensáveis.

Recentemente, avaliei uma Mitsubishi Pajero TR4 2014 para um cliente. Esse jipinho era de uma única dona, tinha pouco menos de 50 mil km rodados em ciclo urbano e apresentava um rico histórico de manutenção, com todas as revisões feitas em concessionária. O que me causou espanto foi quando soube que a ex-dona pagou mais de 4 mil reais na revisão de 40 mil km.

Não fazia nenhum sentido, pois um carro nessa quilometragem exige manutenção básica. Como ela poderia ter pago tão caro numa revisão? Na nota fiscal, observei itens que não fazem parte do pacote de revisão e todos eles com valores completamente fora da realidade de mercado. Depois que ela disse que não entendia nada de carros e que sempre deu carta branca para a concessionária, ficou claro que a coitada foi passada para trás descaradamente.

Dica do Caçador de Carros: faça as manutenções periódicas e siga rigorosamente o que o fabricante recomenda. Não faça menos nem mais que o recomendável, apenas siga o que é pedido no manual.

De importante, foi feito a troca de óleo do motor e do câmbio, filtros de óleo, ar e cabine e troca do líquido do sistema de arrefecimento. Fora isso, ela pagou por aditivos e otimizadores de combustível, descarbonizantes de motor e de válvulas, limpeza de bicos injetores, limpeza externa de motor, lavagem externa do carro com aplicação de cera, pasta para tirar ruídos de freio e de suspensão e odorizador no filtro de cabine. Todos esses itens na base da “empurroterapia”, que não fazem parte do cronograma de manutenção do carro, somadas com os itens importantes e a mão de obra deram a quantia de 4 mil reais. Impressionante!

Na mesma semana, encostei meu guerreiro Nissan Sentra 2008 com quase 180 mil km, para uma revisão rotineira. Troquei óleo do motor, filtros de óleo e de cabine, líquido do sistema de arrefecimento e pastilhas de freio. Peças e mão de obra ficaram em modestos 340 reais. Vejam a discrepância de valores! Por mais que os itens importantes que foram trocados na TR4 são diferentes dos que eu troquei no meu carro, arrisco dizer que o meu mecânico não cobraria mais que 500 reais pelo que foi feito.

Exemplos não faltam de notas fiscais com valores astronômicos de motoristas que pagaram muito mais por itens dispensáveis. Já vi Civic com orçamento de 12 mil, Corolla com NF de 10 mil reais, Peugeot 3008 com NF de 8 mil reais e por aí vai. E sempre que analiso essas NFs, a conclusão sempre é a mesma, de que o dono foi passado para trás.

O maior problema disso são os mitos que se criam no mercado, de que tal carro é ruim ou tem manutenção cara. Na prática, a manutenção é sempre mais simples do que podemos imaginar.

Para resumir, se você não quer correr o risco de ser enganado, comece a entender um pouco mais sobre seu carro seguindo essas dicas:

  • Leia o manual de serviços, observe o cronograma de manutenção e siga os intervalos de trocas dos principais itens. Salvo casos de desgastes prematuros, constatados pelo mecânico, siga o cronograma de manutenção que tem no manual do seu carro.
  • Participe de grupos de proprietários de carros iguais ao seu e troque experiências com eles. Você vai se surpreender com dicas que podem fazer aquele problemão ser resolvido de forma mais simples e barata.
  • Procure por oficinas tradicionais com depoimentos positivos nas redes sociais.

Concluindo meu raciocínio, nunca, em nenhum dos meus carros, precisei gastar uma fortuna com manutenção. Os gastos maiores foram com pneus e peças de suspensão, itens que podemos planejar com antecedência a troca. Eventualmente um outro gasto mecânico pode ocorrer, mas garanto que, na maioria das vezes, aquela famosa revisão a cada 10 mil km é barata, e longe do que eu tenho visto acontecer. Fique atento!

Felipe Carvalho é o primeiro caçador profissional de carros do Brasil. Acesse o site e saiba mais. Inscreva-se no canal do Caçador de Carros no e curta a página de Felipe no .