A National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA), entidade responsável pela segurança viária nos Estados Unidos, divulgou um dizendo que a proporção de vítimas fatais em acidentes envolvendo veículos antigos é maior que nas ocorrências com veículos mais novos. A análise avaliou registros com carros de passeio, utilitários esportivos, picapes e vans.

“Incentivamos os consumidores a escolher veículos que atendam as suas necessidades individuais de estilo de vida, orçamento e transporte, com a garantia adicional de que estão investindo em segurança”, disse Heidi King, vice-administradora da NHTSA.

Uma divisão da NHTSA define veículos “mais antigos” como aqueles construídos antes de 2012, enquanto os “mais novos” são os feitos nos últimos seis anos. O estudo é categorizado por anos/modelo 1984 e anteriores, 1985 a 1992, 1993 a 1997, 1998 a 2002, 2003 a 2007, 2008 a 2012 e 2013 a 2017

Os números são mais óbvios ao comparar veículos relativamente novos com outros muito mais antigos. Cerca de 55% dos acidentes fatais (em que um ocupante morreu em 30 dias após o acidente) ocorreram em carros fabricados antes de 1985. Em contrapartida, esse número cai para apenas 26% nos veículos feitos entre 2013 e 2017. Os dados envolvem ocupantes de diferentes faixas etárias.

A NHTSA conclui “que uma proporção maior dos ocupantes dos veículos ano/modelo mais antigos sofreu uma lesão fatal. Além disso, a proporção de ocupantes de veículos que foram fatalmente feridos aumenta com a idade do veículo”.

Fotos: Euro NCAP e IIHS